Piauí: Polícia Civil deflagra operação e prende servidores do Detran e empresários

Piauí: Polícia Civil deflagra operação e prende servidores do Detran e empresários

Detran-PI esclarece que tem contribuído com as autoridades policiais

A assessoria de comunicação do Detran-PI se manifestou através de nota, onde informou que a operação teve início a partir de requerimentos expedidos pela Procuradoria do Detran que identificou a utilização de notas fiscais frias e encaminhou às entidades policiais. 

Veja a nota completa:

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PI), esclarece que não tem maiores informações acerca da operação “Hidra de Lerna, deflagada pela Polícia Civil, tendo em vista que a investigação corre em sigilo.

Destacamos ainda que, esta operação teve início em 2021 a partir de requerimentos expedidos pela Procuradoria do Detran-PI, que identificou a utilização de notas fiscais frias e encaminhou às entidades policiais para a apuração de eventuais prejuízos cometidos ao Departamento e ao Governo do Estado.

O Detran-PI tem contribuído com as autoridades policiais no que tange ao encaminhamento de documentos necessários ao seguimento da operação. Maiores esclarecimentos serão dados em entrevista coletiva concedida pela Delegacia Geral do Estado.

Polícia Civil deflagra operação e prende servidores do Detran e empresários

A Polícia Civil do Estado do Piauí, por intermédio da 13ª Delegacia de Polícia Civil, deflagrou na manhã desta quinta-feira, 30 de junho, a operação ‘Hidra de Lerna’, onde cumpriu 21 mandados de busca e apreensão e de prisão temporária em face de vários indivíduos.

A operação tem relação com investigações que foram iniciadas em razão de fraudes ocorridas em detrimento do DETRAN-PI e de pessoas físicas e jurídicas que sofreram um prejuízo estimado em apenas um inquérito policial no valor de 12 milhões de reais.

De acordo com o delegado Odilo Sena, após um minucioso levantamento investigativo pelos policiais da 13ª DP, chegou-se a conclusão que inúmeras documentações relativas ao primeiro emplacamento foram falsificadas com a intenção de se obter o DUT/DUAL com a finalidade principal de aplicar golpes na rede bancária com veículos inexistentes (veículos fakes), trazendo prejuízo considerável para toda uma cadeia produtiva que vai desde a compra do veículo na fábrica e se estendendo até o comprador final, passando pelo DETRAN-PI e rede bancária.

O esquema tem relação direta com alguns servidores do DETRAN-PI e com um grande e complexo número de criminosos de dentro e fora do Estado do Piauí, totalizando quase uma centena de investigados  e envolvendo também praticamente DETRANs de todo o Brasil com prejuízo estimado em quase um bilhão de reais.

A operação contou com apoio da GRECO, DEPRE, POLINTER, DINT, DECOR, DRCI, DH de Timon (17ª Regional), Regional C. Maior, DICAP, GPE, FEISP e 12ª DP e ainda DINT-PMPI e PRF-PI.

As informações são do Meio Norte

Deixe uma resposta